Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
22 de Junho de 2018
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size

 
Quanto mais silêncio houver num livro, melhor ele é. Porque nos permite escrever o livro melhor, como leitor.
António Lobo Antunes

 

De tudo o que se escreve, apenas amo o que se escreve com o próprio sangue.
Nietzsche

 
Um livro é a prova de que os homens são capazes de fazer magia.
Carl Sagan

 
Na Natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.
Antoine Lavoisier

 
Eu não gosto dela e lamento alguma vez ter tido alguma coisa a ver com ela.
Erwin Schrödinger sobre a Mecânica Quântica

Início Biblioteca Escolar Notícias Serafimestória - 29 de maio
Serafimestória - 29 de maio PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
SerafimO contador de estórias e humorista Jorge Serafim estará presente na nossa escola para realizar duas sessões com os alunos. Haverá, assim, no dia 29 de maio, uma sessão às 10.15 e outra às 12.00, na sala Multiusos. As inscrições podem ser feitas na biblioteca.
-A narração de contos tradicionais do mundo inteiro, aproveitando assim para divulgar, partilhar e reflectir acerca da riqueza e dos saberes do património oral tradicional. Educar para os valores através de um indispensável retorno à tradição, ao popular e ao ancestral,
- Histórias contadas utilizando o livro como suporte de mediação de leitura, contribuindo assim para a divulgação dos autores nacionais e estrangeiros, bem como para a sua importância enquanto prática regular na procura do conhecimento e da formação do indivíduo;
- Incentivar, a uma prática de recolecção de histórias no próprio meio residencial (na família, vizinhos, amigos, etc...) assim como o incremento de práticas e de produção de escrita.
Quanto a Jorge Serafim, este “define-se como um esmerado cozinheiro nas artes da boa-disposição. Narrador de histórias rocambolescas onde habitam personagens caricatas em situações que nem lembram ao diabo, gosta de as temperar com uma pitada de absurdo e mais duas de imprevisto. Depois de a elas lhes tomar o gosto, refoga-as com muita sátira aos bons, maus e piores costumes, não se lhe escapando nada nem ninguém pelo buraco de uma agulha. Arremata o suculento cozinhado com um polvilhado de Stand Up Comedy” (texto do humorista).